AaBb1БДЖ2ΦΩφω3ĞğŞş4ŤťŢţ home: sem título

March 23, 2012

sem título

Há qualquer momento meu corpo deitado. Há qualquer momento levantarei meu corpo deitado. Há qualquer momento meu corpo cansado se levantará. Catar os rinocerontes barbudos na pata da delicadeza. Catar os rinocerontes barbudos na pata da delicadeza. Catar os rinocerontes barbudos na pata da delicadeza. Malabarismos aproximando os invólucros dispersos. Tudo eu. Tudo deseu. Ou alguma coisa pequena-grande. O mundo cabe nessa janela sobre o mar. O mundo cabe nessa janela sobre o mar. O mundo cabe nessa janela sobre o mar.  Cabe o mar aqui. Cabide para segurar a única textura usada às sextas-feiras. Sextas-feiras de surpresa e amigos.  Fez-se folhas, cactos, pactos, ratos, botão, botão, botão. Os amigos amam devagar. Permanência de possibilidades. De vagar uma noite surge, uma vontade, uma lembrança, um pai, um lá. Permanência de possibilidades. Permanência de possibilidades e zumbidos.

2 comments:

Ellen Joyce said...

"Ainda bem que a noite baixou: é mais simples conversar à noite."

O meu sorriso transbordou-se essa noite.
Muito Obrigada, Saulo!

thiê said...

amar devagar, com cuidado, mesa de bar e pequenos detalhes de conversa, palavras que se completam, ideias que vão se enlaçando. Sempre um prazer, meu querido...